12.05.2020

Zootecnista, o profissional que ajuda a alimentar o mundo

“Ser zootecnista é ter o poder de transformar e evoluir. É fazer a diferença e ajudar a criar um futuro melhor para o planeta”, diz, com emoção, o zootecnista Antônio Chaker, mestre em Produção Animal pela Universidade Estadual de Maringá (PR) e consultor, há 18 anos, em projetos de gestão agropecuária, com foco a ampliação de gerenciabilidade e lucro de fazendas. 

Chaker é apenas um exemplo dos milhares de zootecnistas brasileiros que fazem a diferença na nobre missão de ajudar a alimentar o Brasil e o mundo. A Zootecnia é uma das profissões que contribuem para garantir a qualidade da carne bovina, do frango, dos ovos, do leite, enfim: de todos os produtos de origem animal que vão para o prato do consumidor.

“O importante não é só o acesso ao alimento, mas também o produto final: uma alimentação suficiente, diversificada e nutritiva para a saúde das pessoas” diz Chaker, que também é coordenador do Instituto Integra, que monitora 420 fazendas no Brasil, Paraguai e Bolívia.

Hoje, o grande desafio do campo é produzir mais com menos, isto é, ter mais produtividade usando menos recursos naturais. Com auxílio dos zootecnistas, é possível usar menos água e eletricidade, oferecer menor quantidade de alimento ao animal e aproveitar melhor o espaço físico, tudo com sustentabilidade e mais produtividade, potencializando a capacidade do agropecuarista e gerando mais resultado.

Chaker exemplifica como essa produção mais sustentável ocorre. Segundo ele, é possível produzir 15 vezes mais em um hectare de terra do que há apenas alguns anos. “O desenvolvimento de novas espécies e critérios de manejo; a utilização de aditivos potencializadores de produção, que reduzem a emissão de gases de efeito estufa pelos bovinos; e as novas tecnologias permitiram o aumento da produção animal”, diz.

O zootecnista usa a alimentação como exemplo. “Antes, para conseguir um quilo a mais, no frango, eram necessários mais 2,3 kg de ração; hoje, basta 1,6 kg do alimento. Isso também ocorre com suínos, bovinos, peixes e outros animais. Uma fêmea zebu, há 15 anos, entrava em idade de reprodução aos 24 meses ou mais. Hoje, isso ocorre aos 14 meses ou menos”.

O profissional zootecnista
O zootecnista tem conhecimentos no campo científico e tecnológico. Ele trabalha na criação animal, nutrição, manejo, pesquisa, bem-estar, melhoramento genético e gestão da produção animal, contribuindo para o desenvolvimento produtivo e sustentável.

De onde estiver, o zootecnista monitora o rebanho em tempo real, podendo tomar decisões com agilidade, agregando valor à produção e garantindo a qualidade de seus produtos com eficiência econômica. É capaz de gerenciar, planejar e administrar empreendimentos do agronegócio, como fazendas, granjas, agroindústrias, envolvendo-se desde a produção até a comercialização, dinamizando e tornando eficaz o processo.

Relatórios recentes da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) apontam que a proteína animal (bovinos, suínos, frango, ovos, leite) teve crescimento médio da produção superior a 10%, nos últimos cinco anos. O Brasil é o quarto maior produtor de tilápia e de suínos do mundo. O país é o segundo maior produtor de carne de frango e bovina, enquanto na produção de leite e ovos consta entre os cinco maiores do mundo.

Dados do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) mostram que, em 2019, o Brasil exportou quase 7 bilhões de dólares de carne de frango, um aumento de 9% em relação ao ano anterior. A carne in natura (carne bovina fresca ou refrigerada e congelada) gerou em torno de 6,5 bilhões de dólares. Mas o produto de origem animal com maior crescimento nas exportações nesse período foi o leite fluido. O aumento foi de 262%, entre 2018 e 2019, com resultado total de 1,5 bilhão de dólares.

“O nosso trabalho vai da abelha ao zebu, promove a produção de alimentos, movimenta a economia e apoia a sustentação da balança comercial brasileira, fatores determinantes para um país e um mundo justo e próspero”, assinala Chaker, que, além do trabalho como consultor, encontra tempo para ministrar treinamentos e escrever livros e artigos.

Na sua opinião, o Brasil tem uma grande diferença em relação aos outros países, como o solo, água e pessoas. “Difícil encontrar alguém que saiba manejar pastagem tropical melhor que a gente. Na suplementação e em algumas técnicas de determinação intensiva do pasto também somos craques. Somos imbatíveis em tudo o que envolver tecnologia de produção baseada em ambiente pastoril de alto nível de produtividade e qualidade”, celebra Chaker.

Mercado de trabalho
A Zootecnia transcendeu a área de produção. Hoje, esses profissionais ocupam cargos de direção em grandes empresas, trades internacionais de carne, departamentos de Marketing e liderança em corporações que produzem e distribuem os principais insumos necessários à produção. Também estão em órgãos públicos, federações, universidades e institutos de pesquisa.

“É muito comum encontrar o zootecnista na liderança. Isso explica também o tipo de formação e de profissional que a Zootecnia atrai: pessoas que têm uma visão produtiva, de desenvolvimento, de crescimento e, por isso, acabam na direção das operações agropecuárias”, afirma o consultor.

Profissional de sucesso, Chaker revela que o desafio da Zootecnia é atuar com fatores múltiplos. “O bom profissional tem que desenvolver habilidades como gestor de equipe e planejamento estratégico. Não é só pasto, alimentação e animal, temos que conhecer sobre o ser humano”, analisa.

Futuros zootecnistas
Aos estudantes, Chaker ensina que o primeiro passo para uma carreira de sucesso é o autoconhecimento. “O zootecnista tem que se enxergar como um agente de transformação. O jovem deve trabalhar com toda a sua energia para quando entrar em um processo de produção. Seja em uma fazenda, indústria ou cooperativa, entre com um olhar de ruptura, de ‘o que vou promover de mudança, o que é necessário fazer agora?’”, sugere.

Todo início de carreira exige um pouco mais de resiliência, superação e paciência, explica o consultor. “No começo, ele vai trabalhar umas horas a mais para conquistar o seu espaço, mostrando como realmente pode fazer a diferença naquela corporação”, orienta.

“Costumo dizer que a Zootecnia dá a faca e o queijo, mas a fome deve vir do profissional. A América do Sul precisa muito e nunca houve tanta oportunidade para o zootecnista transformador como temos agora. Então, essas horinhas a mais e essa capacidade de ser uma agente de mudança, de não se conformar com o status quo, é a grande dica que tenho para quem está começando”, conclui Chaker.

Histórico
O Dia do Zootecnista é comemorado em 13 de maio. Nesta data, em 1966, ocorreu a aula inaugural do primeiro curso superior de Zootecnia, no Brasil, na Pontifícia Universidade Católica (PUC), em Uruguaiana (RS).

No dia 13 de maio, em que se comemora o Dia do Zootecnista, os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária (Sistema CFMV/CRMVs) parabenizam os mais 18 mil zootecnistas inscritos pela relevância das atividades que desempenham para o país e o mundo. A sociedade e o agronegócio agradecem sua competência, eficiência e efetividade de sua atuação!

Fonte: CFMV